empresas e inovação

Sobre aceitar desafios e fazer coisas pela primeira vez

Sobre aceitar desafios e fazer coisas pela primeira vez

1 minuto O LabFazedores é uma empresa de educação corporativa. Por causa disso, boa parte do meu trabalho envolve dar aulas e falar em público. Os treinamentos e workshops que ministro normalmente envolvem 3 pilares: culturas organizacionais, inovação e liderança/gestão. No último sábado tive a honra de participar novamente da Campus Party, porém minha participação teve gosto de desafio. O convite desse ano foi para falar no palco Empreendedorismo & Startup e contar um pouco da minha visão sobre o tema. Por saber que há muita gente Continue lendo

A linha d`água na Gore

A linha d`água na Gore

2 minutos A Gore é uma empresa norte-americana fundada em 1958. Atualmente, é uma das 200 maiores empresas de capital fechado dos EUA, está presente em mais de 30 países e fatura cerca de US$ 3 bi por ano. A companhia produz insumos e materiais  para indústrias que vão do setor aeroespacial ao farmacêutico. Os amantes do alpinismo, do trekking e demais esportes ao ar livre conhecem a empresa por conta de seu famoso tecido GORE-TEX. A Gore também é reconhecida por sua estrutura organizacional Continue lendo

O sim institucional na Amazon

O sim institucional na Amazon

2 minutos Já disse e repito sempre, a Amazon é uma das empresas mais inovadoras da nossa época. É impressionante como a varejista vem reinventando constantemente seus processos, sua gestão e seu modelo de negócios. Dito isso, convém observar que a cultura organizacional na empresa está longe de ser uma cultura amena. O autor Brad Stone, que escreveu o excelente livro “A loja de tudo”, diz que as pessoas que se destacam na Amazon são aquelas capazes de trabalhar em um ambiente adverso e Continue lendo

A Canon e a filosofia Kyosei

A Canon e a filosofia Kyosei

4 minutos É cada vez maior a pressão da sociedade para que empresas desempenhem um papel de protagonismo em demandas relacionadas ao contexto no qual estão inseridas. Tem se tornado frequente acompanharmos situações em que companhias são cobradas por uma atuação responsável e por resultados muito além do clássico “retorno aos acionistas”. Dias atrás, vendo mais um caso de empresa que pagou um alto preço por escorregar nesse quesito, me lembrei de uma abordagem de gestão japonesa que conheci quando ainda era estudante. Ryuzaburo Continue lendo

O que sabemos sobre inovação na África?

O que sabemos sobre inovação na África?

4 minutos O que sabemos sobre a África? Infelizmente, quase nada. E se levarmos esse raciocínio além: o que sabemos sobre inovação na África? Acho que pouca gente sabe algo sobre o tema aqui por essas bandas. Há tempos, analistas e consultorias fazem alarde acerca do potencial da África para abrigar a próxima explosão econômica do mundo. Em 2010, época da Copa do Mundo na África do Sul, muito se falou sobre o tema. Os cenários não se confirmaram e o que se viu nos últimos Continue lendo

Considerações sobre o Capitalismo Consciente

Considerações sobre o Capitalismo Consciente

6 minutos Quem acompanha meu conteúdo na internet ou já me ouviu falar em aulas palestras e workshops, provavelmente sabe que um dos meus temas preferidos é o capitalismo consciente. Isso ocorre porque tenho convicção que o capitalismo e a livre iniciativa são, até o momento, os principais vetores da inovação e da cooperação em prol do desenvolvimento da sociedade. Acredito que empresas são instrumentos para alinhar interesses, potencializar objetivos comuns e proporcionar satisfação individual, parte da natureza de todo ser humano. Embora tenhamos a sensação de Continue lendo

Essa tal inovação disruptiva

Essa tal inovação disruptiva

8 minutos Inovação disruptiva é um bom conceito da administração que está correndo o risco de ficar totalmente banalizado, pois os óbvios apelos de marketing do termo têm feito ele ser utilizado para nomear coisas que nem deveriam ser consideradas inovação. Apesar disso, é possível perceber a importância de estudar o que a inovação disruptiva de fato representa ao nos depararmos com declarações como as que reproduzo a seguir: Eu acho que existe um mercado mundial para, talvez, uns cinco computadores (Thomas Watson, Presidente Continue lendo

O jeito Larry Page de pensar

O jeito Larry Page de pensar

3 minutos Gosto quando livros de negócios tentam desvendar um pouco sobre o jeito de pensar dos empresários que mudam o mundo. O livro Bold, de Peter Diamandis e Steven Kotler, que ganhou o título Oportunidades Exponenciais na versão em Português, traz informações relevantes sobre alguns desses empresários. Larry Page, cofundador do Google, é um dos exemplos citados pelos autores. No relato de Diamandis e Kotler, impacto revolucionário é o que interessa a Page. Seu hábito de perguntar: “Por que não? Por que não maior?” Continue lendo

Os dois pilares da estratégia da Zappos

Os dois pilares da estratégia da Zappos

5 minutos A Zappos é uma empresa cuja estratégia está fundamentada em dois pilares: a excelência no atendimento ao cliente e o desenvolvimento de uma cultura organizacional forte. Quando analisamos a trajetória da organização, é possível perceber que os primeiros anos foram dedicados a viabilizar seu modelo de negócio. Apenas quando a operação se tornou sustentável, a empresa passou a olhar para os fatores pelos quais ela passaria a ser reconhecida. Dois acontecimentos são marcantes no desenvolvimento dos diferenciais citados. Atendimento ao cliente A Continue lendo

Quando é precipitado pivotar

Quando é precipitado pivotar

3 minutos No vocabulário das startups, pivotar corresponde a uma mudança radical no modelo de negócio, após testar uma estratégia e não obter os resultados desejados. Sou um entusiasta da abordagem da startup enxuta, inclusive já escrevi sobre os benefícios de adotar um Produto Mínimo Viável como forma de testar hipóteses de negócio.  Porém, como nenhum método deve ser encarado como infalível, acho pertinente fazer um contraponto sobre a urgência que alguns negócios nascentes têm de pivotar suas estratégias. A tecnologia disponível e o Continue lendo

Inovar também é saber dizer não

Inovar também é saber dizer não

2 minutos A capacidade de rejeitar oportunidades que resultariam em benefícios de curto prazo é um aspecto relevante e pouco explorado nas estratégias das empresas realmente inovadoras. Essa característica reflete o compromisso da organização em se manter fiel à sua essência e missão, ainda que isso signifique abrir mão de lucros e projetos interessantes. O sucesso de uma empresa é, em grande medida, explicado pela quantidade de caminhos que ela escolhe não trilhar, sempre que esses caminhos não estão relacionados ao seu propósito. Para Continue lendo

O que um concurso da Netflix pode nos ensinar sobre inovação

O que um concurso da Netflix pode nos ensinar sobre inovação

3 minutos A quantidade cada vez mais expressiva de programas de aceleração de startups idealizados e financiados por grandes corporações prova como essas empresas perceberam a importância de captar a inovação no ambiente externo. Nesse contexto, vale ressaltar que programas de aceleração não são a única possibilidade. Outra forma, geralmente mais barata e adequada para resolver um problema específico, são os concursos de incentivo. Neles, uma empresa propõe um desafio, estipula uma premiação e engaja a comunidade na busca pela resolução da questão proposta. No Continue lendo