Sobre conselhos despretensiosos

Tempo de leitura: 2 minutos

Engraçado como conselhos que precisamos ouvir às vezes chegam em conversas despretensiosas, quando a gente menos espera. Insights valiosos que surgem em meio a cervejas geladas e papos que começam sem nenhuma intenção de se tornarem sérios.

Tempos atrás, conversava com um amigo em uma situação exatamente como a descrita acima. Entre uma amenidade e outra, lá pelas tantas, comecei a falar sobre os passos e as angústias relacionadas à transição de carreira que eu havia iniciado. Falava da incerteza de largar um emprego estável, um ótimo salário, uma carreira em ascensão e de todas as implicações práticas que conseguia enxergar naquele momento.

Meu amigo, empresário de longa data, me escutava de forma ativa e empática e fazia algumas ponderações sobre aspectos mais corriqueiros do meu planejamento. Lá pelas tantas ele disse algo que foi muito importante em meu processo de transição e que guardei comigo desde então. “Cara, eu entendo sua preocupação. De fato, não é uma decisão fácil. Mas fique tranquilo, pois chegará um tempo em que essas preocupações não farão mais sentido. Chegará um tempo em que esse peso relacionado ao que está sendo deixado para trás (bom salário, “estabilidade”, benefícios e uma carreira em ascensão) não estará mais no seu radar. Isso vai acontecer logo. Seus novos projetos estarão na rua e a necessidade de fazê-los acontecer vai tomar conta de tudo. Sua energia e seu foco, até por questão de sobrevivência, estarão inteiramente voltados ao que precisa ser construído. Entendo suas preocupações atuais, mas, acredite em mim, elas desaparecerão rapidamente”.

Corta para o momento atual. As coisas aconteceram exatamente como no cenário antecipado pelo meu amigo conselheiro. Lembrei daquela conversa em vários momentos durante os primeiros passos dessa recente caminhada. Construir um novo projeto de vida tem tomado todo meu tempo. Os aspectos práticos e as regras do jogo mudaram. Minha potência de agir está inteiramente no presente e no futuro. Basicamente, não cabe ficar conjecturando sobre o que ficou para trás. Não há espaço para isso no momento.

A angústia de iniciar uma nova etapa da vida profissional, portanto, está muito mais ligada às fases anteriores do que ao início do processo. Quando o primeiro passo é dado, há uma nova estrada a ser percorrida e os desafios se tornam muito maiores do que as preocupações que te tiraram o sono até decidir. É hora então de deixar para trás algumas bagagens e seguir caminhando.

 




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *