A importância dos intraempreendedores

Tempo de leitura: 3 minutos

Existem muitos profissionais com espírito empreendedor que optam por colocar sua capacidade à disposição de uma empresa de propriedade de outra pessoa, liderando projetos e processos inovadores. Esses profissionais são conhecidos como intraempreendedores.

Intraempreendedores exercem, de fato, o sentimento de dono. Normalmente, são profissionais inquietos na busca por aprimoramento, têm o radar constantemente direcionado às oportunidades e apresentam certa dose de tolerância ao risco e ao erro responsável.

Houve um tempo em que profissionais como os citados acima, questionadores e proativos, eram vistos como um estorvo pela empresa. Nesses tempos, a alta administração elaborava um planejamento estratégico válido por 5 anos e aos demais cabia apenas a execução daquilo que estava escrito no documento. Excesso de atitude e criatividade não era visto com bons olhos. Ocorre que os tempos mudaram e a capacidade de adaptação às constantes transformações características do Séc. XXI valorizaram o passe desse tipo de profissional.

Em recente artigo para o portal Entrepreneur, o Dr. John McGrath elencou alguns traços comuns aos intraempreendedores, os quais adapto a seguir:

Comprometimento total

Ser um intraempreendedor requer dedicação em tempo integral. Esses profissionais atuam de forma bem diferente da média dos profissionais da empresa, constantemente trabalhando para desafiar o status quo em busca de resolver problemas e criar novas soluções. Muitas vezes, esses profissionais interagem diretamente com a alta admistração para trocar conhecimentos e experiências.

Adaptabilidade

São profissionais que funcionam bem em ambientes de mudança. Observam, entendem o contexto e conseguem adaptá-lo à realidade da organização a qual pertencem. Lidam bem com as dores do crescimento. Intraempreendedores têm a nobre missão de lubrificar as engrenagens corporativas.

Motivação

Embora valorizem o valor do retorno sobre o investimento, não são movidos exclusivamente por indicadores financeiros. São motivados por encontrar maneiras de contribuir para o sucesso global da companhia.  Intraempreendedores se comprometem com as entregas antes de pensarem em ascensão profissional e em aumentos de salário.

Confiança

São confiantes na própria capacidade de executar.  Acreditam na própria competência e enxergam os desafios sob um viés positivo.

Equilíbrio

São centrados e demonstram bom senso diante de situações difíceis. Conseguem liderar de forma coerente e equilibrada e incentivar colaboradores a buscar soluções criativas e permanecerem serenos em meio à turbulências.

Valores

Intraempreendedores atuam como embaixadores na disseminação dos valores essenciais da organização. Enxergam os aspectos fundamentais de cada situação e a partir deles contribuem para a manutenção da cultura organizacional desejada.

Efeito Espelho

Por fim, um conselho para os empresários (que muitas vezes já foram intraempreendedores). Uma excelente forma de disseminar uma cultura de intraempreendedorismo é valorizar os funcionários que possuem tal atitude. Empresas que promovem e dão destaque aos intraempreendedores tendem a disseminar essa cultura. Um intraemprendedor que foi reconhecido por suas entregas, acaba sendo espelho para outros funcionários que passarão a desenvolver novas competências.

Obviamente, as características acima não são uma receita de bolo a ser seguida e nem representam a totalidade das características de um intraempreendedor. Outra ressalva importante é que não basta ter espírito empreendedor para ser um intraempreendedor. Além da atitude e da vontade de realizar, é necessário desenvolver as competências técnicas necessárias ao exercício de papéis de destaque em processos de inovação e mudanças organizacionais. O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) afirma que o intraempreendedorismo deve levar a empresa não somente a novos negócios, mas também a outras atividades e orientações inovadoras como o desenvolvimento de novos produtos, serviços, tecnologias, técnicas administrativas, estratégias e posturas competitivas.

Dito isso, é válido reafirmar que em tempos de mudanças constantes e fundamentais nos mercados e modos de produção, intraempreendedores são um ativo valioso.  Fomentar uma cultura de intraempreededorismo permite que as empresas questionem os paradigmas vigentes e respondam de forma mais dinâmica aos desafios do ambiente de competição.




2 Comentários


  1. Bem interessante, Kaio.
    Em tempos de crise é bom ter capacidade de desenvolver habilidades pessoais que não estão diretamente relacionados à gestão de capital dentro da empresa. Usar da criatividade, da motivação com equilíbrio e valores tem a capacidade de renovar o clima organizacional.

    Valeu, cara.

    Responder

    1. Exatamente! Uma postura mais proativa e além do óbvio será cada vez mais comum e necessária no ambiente organizacional. Os tempos de fazer o mínimo esperado tendem a ser superados em definitivo.

      Obrigado pela participação.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *