Sabe aquelas metas tão desafiadoras que a gente não sabe se é capaz de cumprir quando se compromete? Eu defini algumas assim para o ano que vem.

Uma delas: correr uma maratona até o final de 2019.

A regra é passar por esse processo de forma saudável. 

Há alguns meses retomei as caminhadas. Logo, comecei a arriscar umas corridas leves. Fiz isso nas horas vagas e sem metas. 

Após duas provas de 5km com rendimento muito abaixo do que eu gostaria, resolvi fazer direito.

Uma das coisas que mais gosto na corrida é que não há evolução sem comprometimento, rotina, esforço e pensamento de longo prazo. 

Acabei de sentir isso na pele novamente.

Desde 14/12/2018, abracei o projeto de correr uma maratona. Troquei as horas vagas e o “corro quando o dá” por acordar mais cedo e fazer atividade física como primeiro compromisso do dia. 

Ainda há muito aprendizado, rotina e preparação pela frente. Muitos hábitos a serem transformados. 

Sinceramente não sei se sou capaz de completar uma maratona, mas esse é o tipo de desafio que de qualquer forma a gente ganha.

Por que estou escrevendo isso por aqui? Uma meta esportiva desafiadora e de longo prazo é um rico processo de planejamento, execução e gestão. 

É bem possível que compartilhe, vez ou outra, alguns dos meus aprendizados.