Arrisco a dizer que o  desenvolvimento de competências emocionais será mais importante do que o domínio de competências técnicas no contexto pós-digital.

Resolução de problemas complexos, adaptabilidade, empatia, capacidade de aprender constantemente, trabalho em equipe (alternando a condição de líder e liderado), comunicação, dentre outras competências, aparecem em boa parte das listas de “características do profissionais do futuro”.

O que tais competências têm em comum? Todas são ligadas ao campo emocional.

Ainda vivenciamos culturas organizacionais que valorizam mais as competências técnicas e os aspectos pragmáticos ligados às rotinas profissionais. Boa parte do trabalho que já está sendo automatizado.

Não espere que sua empresa mude para você mudar. Desenvolva suas competências emocionais, na mesma medida em que se desenvolve tecnicamente.

Saber lidar com os desafios emocionais nunca foi tão importante e será cada vez mais daqui para frente.