fbpx

Todos nós já vivemos situações aparentemente insolúveis. Problemas no trabalho e na vida pessoal, cuja solução parecia impossível.

Muitas vezes, mudar a perspectiva e adotar novas abordagens são atitudes necessárias para trilhar novos caminhos.

Uma antiga passagem da Mitologia Grega nos ensina sobre o assunto. 

Você já ouviu falar sobre o Nó Górdio?

Conta a lenda que o Rei da Frígia, região da Ásia Menor, atual Turquia, morreu sem deixar herdeiros.

O Oráculo foi consultado e anunciou que o sucessor do rei chegaria à cidade em um simples carro de boi.

A profecia foi cumprida por um camponês de nome Górdio, que se tornou rei.

Para jamais esquecer do seu passado de homem simples, Górdio amarrou sua carroça a uma coluna do Templo de Zeus. 

O nó dado pelo novo rei era considerado impossível de ser desatado e, por conta disso, ficou famoso.

Górdio reinou por muito tempo e foi sucedido por seu filho Midas, que expandiu o império, mas não deixou herdeiros.

Os sábios consultaram o oráculo novamente e ouviram que quem desatasse o nó deixado por Górdio seria o senhor de toda a Ásia.

Cinco séculos passaram sem ninguém conseguir esse feito. Foi quando Alexandre, o Grande, tomou conhecimento da lenda ao passar pela Frígia por volta de 334 a.c.

Intrigado com a questão, Alexandre Magno foi até o templo de Zeus observar o tal nó impossível.

Após contemplá-lo, desembainhou sua espada e cortou a corda com um só golpe para espanto de todos.

Contam que depois declarou: 

O destino não é feito pela lenda, e sim pela espada. 

O imperador da Macedônia não dava valor ao poder das lendas e forjaria seu destino pela espada, se tornando senhor de toda Ásia Menor em um espaço de poucos anos.

O que essa narrativa nos ensina?

O gesto virou símbolo de simplicidade e do comportamento objetivo.

A solução de Alexandre também nos mostra que os nós intrincados nem sempre são desfeitos por métodos convencionais. Há momentos em que precisamos desrespeitar as soluções anteriores e buscar uma abordagem completamente nova.

O melhor de tudo é que não precisamos ser um general sanguinário para usar a inventividade, a criatividade, e as ações eficazes para lidar com os nós aparentemente insolúveis que a vida nos apresenta nos dias de hoje.