O que um concurso da Netflix pode nos ensinar sobre inovação

O que um concurso da Netflix pode nos ensinar sobre inovação

3 minutos A quantidade cada vez mais expressiva de programas de aceleração de startups idealizados e financiados por grandes corporações prova como essas empresas perceberam a importância de captar a inovação no ambiente externo. Nesse contexto, vale ressaltar que programas de aceleração não são a única possibilidade. Outra forma, geralmente mais barata e adequada para resolver um problema específico, são os concursos de incentivo. Neles, uma empresa propõe um desafio, estipula uma premiação e engaja a comunidade na busca pela resolução da questão proposta. No Continue lendo

A importância dos intraempreendedores

A importância dos intraempreendedores

3 minutos Existem muitos profissionais com espírito empreendedor que optam por colocar sua capacidade à disposição de uma empresa de propriedade de outra pessoa, liderando projetos e processos inovadores. Esses profissionais são conhecidos como intraempreendedores. Intraempreendedores exercem, de fato, o sentimento de dono. Normalmente, são profissionais inquietos na busca por aprimoramento, têm o radar constantemente direcionado às oportunidades e apresentam certa dose de tolerância ao risco e ao erro responsável. Houve um tempo em que profissionais como os citados acima, questionadores e proativos, eram Continue lendo

Visões sobre propósito

Visões sobre propósito

4 minutos Gosto muito de uma frase do Aristóteles, que lá na Grécia antiga já dizia que “na intersecção dos seus talentos únicos com a necessidade do mundo, encontra-se a sua vocação”. Cito um filósofo grego para reforçar que essa coisa de se preocupar com propósito e com o motivo pelo qual fazemos o que fazemos é algo inerente ao ser humano e uma preocupação bem mais antiga do que qualquer modismo do universo da gestão e da autoajuda. Ao contrário, deve ser encarada como essencial para indivíduos Continue lendo

Ambiente de trabalho como facilitador da inovação e da solução de problemas

Ambiente de trabalho como facilitador da inovação e da solução de problemas

3 minutos Já dizia Vinicius de Moraes: “A vida é a arte do encontro, embora haja tanto desencontro pela vida.” Muitas pessoas subestimam o impacto do ambiente físico para a boa realização de um trabalho. O ambiente de trabalho deve ser agradável – em todos os casos – e adequado às atividades que a empresa desenvolve. Outro ponto relevante a ser considerado é o fato do ambiente físico de uma empresa poder ser pensado como estímulo a um objetivo específico que se quer atingir. Continue lendo

Sapatos do bem: como a TOMS alia lucro a uma boa causa

Sapatos do bem: como a TOMS alia lucro a uma boa causa

3 minutos A TOMS Shoes é uma legítima representante do que vem sendo rotulado como capitalismo consciente. A empresa foi fundada pelo americano Blake Mycoskie, após uma viagem de férias na Argentina. Lá, o empresário conheceu as alpargatas tradicionais do País, atualizou cores e solados e concebeu uma empresa, partindo de uma proposta de valor simples e consistente: para cada sapato vendido, um sapato seria doado para uma criança carente. Recentemente, li o livro Comece Algo que Faça a Diferença, escrito por Blake e divido aqui Continue lendo

Empowerment: mais fácil falar do que fazer

Empowerment: mais fácil falar do que fazer

2 minutos Um termo muito usado por executivos e gerentes que querem dar aquela impressionada na equipe é empowerment. Ocorre que, na maioria dos casos, o empowerment é mais discurso do que prática. O termo significa atribuir poder a alguém e pode ser caracterizado como o enriquecimento de cargos levado ao extremo. Ao conferir empowerment, o gestor não transfere apenas as tarefas e atribuições de um cargo para um funcionário de nível hierárquico mais baixo, transfere também o poder de decisão sobre aquelas atribuições. Empoderar é Continue lendo

Sobre clientes e atitudes

Sobre clientes e atitudes

2 minutos O texto de hoje é sobre o óbvio, porém se existe uma coisa que aprendi faz tempo é que o óbvio deve ser rememorado e praticado com atenção e freqüência. Tempos atrás, fui a uma livraria no shopping e em frente havia um quiosque de doces e biscoitos artesanais. Como não conhecia o empreendimento, parei por alguns instantes para observar. Ao perceber minha atenção, uma das vendedoras me abordou dizendo um script sobre os “deliciosos quitutes” que o novo estabelecimento oferecia. A abordagem me Continue lendo

É possível gamificar

É possível gamificar

2 minutos Gamification é a aplicação de princípios, narrativas e ferramentas de jogos em outros contextos. A estratégia se vale de aspectos lúdicos e tem sido usada como forma de engajamento entre consumidores e marcas; alunos e instituições de ensino; trabalhadores e empresas, etc. Gosto especialmente do incentivo simultâneo à cooperação e à competitividade que esse tipo de estratégia proporciona. Um erro de entendimento comum em relação às estratégias de gamificação é pensar que elas demandam altos investimentos em TI e ocorrem necessariamente em Continue lendo

Marca se constrói o tempo todo

Marca se constrói o tempo todo

1 minuto A construção de uma marca se dá em todos os momentos. Nas grandes e pequenas atitudes. Estava eu trabalhando quando, no meio da manhã, recebi uma ligação de um primo querido, dizendo que ele e seu pai estavam na cidade e fazendo um irrecusável convite para almoçar. Fiquei muito feliz, pois não os via há algum tempo. No horário combinado, estávamos todos reunidos em um almoço na Churrascaria Fogo de Chão. O encontro transcorreu alegremente e, lá pelas tantas, solicitei ao garçom Continue lendo

Pimenta nos olhos é refresco

Pimenta nos olhos é refresco

4 minutos Caito Maia, fundador e mente por trás da Chilli Beans é um baita empresário e uma personalidade interessantíssima. Já admirava a trajetória dele por conta de um livro chamado ”E se colocar pimenta?”, escrito pelo próprio Caito e por Rodolfo Araújo, que conta a história da empresa e de seu idealizador e, em 2015, minha admiração foi reforçada quando assisti seu estudo de caso na plataforma meusucesso.com.  Ambas as fontes permitem entrar um pouco no universo apaixonado, criativo e um tanto rock`n Continue lendo

Jack Welch NÃO é “o cara”

Jack Welch NÃO é “o cara”

4 minutos O americano John Frances Welch Jr. nasceu em 1935 e fez uma brilhante carreira na General Eletric Company (GE) entre os anos de 1960 e 2001, tendo atuado como CEO durante os últimos 20 anos desse período. Os resultados de Jack Welch à frente da GE fizeram dele uma lenda no mundo dos negócios e fonte eterna de estudos de caso mundo afora. Ele próprio tem se dedicado aos livros, palestras e consultorias desde que deixou o cargo de diretor-presidente da empresa. Continue lendo

A mesa de Steve Jobs

A mesa de Steve Jobs

2 minutos Cultura organizacional é algo que se constrói no dia-a-dia, nas grandes e pequenas atitudes. Ed Catmull é cofundador e presidente da Pixar e da Disney Animation e escreveu sobre um episódio que ilustra bem o tema em seu livro, que já nasceu clássico, “Criatividade S.A.”. A Pixar revolucionou a computação gráfica e o mercado de animação ao criar Toy Story, o primeiro longa-metragem inteiramente concebido em computadores. O estúdio também é conhecido por sua cultura democrática e voltada à criatividade. Catmull conta Continue lendo